28-09-11 - As cruzes podem estar nas paredes das escolas

cruz_erguida.jpg     O jornal Público publicou ontem uma entrevista a Joseph Weiler onde o especialista em direito constitucional afirma que "um Estado que proíbe a cruz na parede também não é neutro".

     Joseph Weiler é um judeu convicto e defendeu perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos o direito de a Itália ter cruzes nas paredes das escolas.


Tribunal dos Direitos Humanos legitima as Cruzes nas Escolas

     Motivo: A cruz é portadora não só de Significado religioso mas também cultural.

     O Tribunal Europeu para os Direitos Humanos em Estrasburgo decidiu que a afixação de cruzes nas salas de aula de ensino público não viola a liberdade de religião; trata-se dum símbolo passivo.

     Esta decisão vem corrigir uma posição de Estrasburgo que, em 2009, tinha dado razão a uma ateia italiana que via nas cruzes de salas de aula estatais uma violação da liberdade de religião.

O governo italiano interpôs recurso argumentando que a cruz, em lugares públicos, para lá do significado religioso, é símbolo duma tradição espiritual que forma o fundamento da democracia e da civilização europeia.

     Os juízes argumentaram que tradição não desvincula do respeito pelos direitos humanos. Recordam o dever dos Estados serem neutros e que o Estado tem o dever de garantir a liberdade de exercício das diferentes religiões e a paz na defesa da ordem pública.

     Estrasburgo deixou à discrição dos diferentes Estados nacionais o decidir sobre o assunto, dado não haver consenso entre os países europeus.



COMENTÁRIO:

     Independentemente de sermos a favor, ou não, pela afixação de cruzes, é importante termos consciência de que subjaz hoje um espírito de anticristo por detrás da intenção de se eliminar as cruzes de lugares públicos, bem como de quaisquer outros símbolos que apontem para Deus.O mundo jaz, mesmo, no maligno e a inimizade do homem para com Deus acentua-se. Urge, pois, que preguemos a mensagem da cruz, a mensagem da reconciliação.

     "... Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra [ou, mensagem] da reconciliação" (2 Coríntios 5.19).