Aos Pais dos meus Netos (33) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Aos pais dos meus netos


ANÁLISE DE FAMÍLIAS DA BÍBLIA

Barzilai, o Gileadita (Continuação)

     Mais umas poucas palavras sobre Quimã, embora não se liguem diretamente ao nosso assunto. O nome "Quimã" significa "desejoso". É derivado da palavra hebraica cujo sentido é "desejar ardentemente" algo. É uma palavra que aparece somente uma única vez na Bíblia, a saber, no Salmo 63:1:          “a minha carne te deseja muito” ou, tem outra tradução: “... meu corpo te almeja...". Por meio disso somos lembrados do desejo que talvez tenha habitado no coração de Barzilai, de usufruir das bênçãos prometidas a Israel, embora fossem ainda futuras. Talvez seria melhor dizer, não das bênçãos, mas daquele que abençoa, visto que no Salmo citado não lemos: “...o meu corpo almeja as bênçãos", mas: "...te almeja". Pode-se entender que mesmo que Barzilai não tenha acompanhado pessoalmente David para Jerusalém, o seu desejo, contudo, o tenha acompanhado.

     A minha intenção foi de encerrar por aqui a história de Barzilai. Embora tivesse ainda algumas anotações a respeito dele, a saber em Esdras 2:61-67. Foi pesado para mim ver manchado o nome deste nobre Barzilai, mesmo que com uma só mácula, pelo que já decidi esquecer aquelas notas desfavoráveis, porém o Espírito de Deus é tão correto e tão preciso nos seus relatos, que não encobrira nenhuma falha de alguém, embora outras vezes o faça.

     Assim sendo, sou obrigado a ventilar aqueles meus "quase segredos", pois não posso omiti-los. Juntos queremos, portanto, procurar a causa daquela mancha negra na vida de Barzilai.

     Isso veio a ser descoberto somente cerca de quinhentos anos depois de o povo voltar do cativeiro babilónico. Naquele tempo os filhos de Habaias, filhos de Cóz, filhos de Barzilai procu¬raram descobrir o seu "registo nos livros genealógicos, porém não o acharam, pelo que foram tidos por imundos para o sacerdó¬cio. O governador disse-lhes que não comessem das coisas sa-gradas, até que se levantasse um sacerdote com Urim e Tumim".

     Qual foi, pois, o motivo da reprovação? Porque estes homens não puderam encontrar a sua genealogia? Há muitos anos um dos seus antepassados casou¬-se com uma filha de Barzilai, o gileadita. Sem dúvida isso fora' vantajoso para o tal sacerdote, que dessa forma conquistara honra e riqueza, pois que, conforme temos visto acima, Barzilai era muito rico e nobre. Tal era a sua riqueza, que com sua fortuna pessoal conseguiu sustentar a David com os seus homens de guerra, durante longo tempo.

     Não é muito fácil tornar-se genro de um homem tão rico e nobre. Em contradição com as recomendações de Deus na Sua Palavra, o pretendente, este jovem sacerdote, tinha renunciado ao seu próprio sobrenome, adotando o da sua parceira. Dado isso, encontramo-lo sob o nome "Barzilai". O seu próprio nome desaparecera em detrimento de bens terrenos, honra e riquezas. Não resta dúvida de que esse genro de Barzilai alcançou tudo o que procurava. Talvez até pensasse ter pago pouco por tudo aquilo que adquiriu, esquecendo, porém, que esta sua ganância viesse a custar caro aos seus descendentes, e isso quinhentos anos mais tarde, onde perderiam a abençoada posição de sacerdotes! Para o crente não é possível auferir vantagens de ordem mundana sem que tome o correspondente prejuízo nas coisas concernentes ao céu, ou coisas de ordem espiritual. Analisando bem, veremos que as riquezas e honras celestiais são mais constantes e duradouras do que os tesouros deste mundo, por mais atraentes que estes sejam (Veja Esdras 2:61).

     Não é nossa incumbência verificar quem foi o culpado no que se refere àquele casamento. Contudo é triste encontrarmos o nome de Barzilai, o gileadita, envolvido num caso tão vergonhoso, como o vemos em Esdras.

     A lição que este facto tem a nos ensinar é bastante clara, contudo gostaria de indicar para o desfecho daquele trecho em Esdras, visto que aí se evidencia uma mensagem de esperança, quanto a nós: Em nosso favor levantou-se um sacerdote com Urim e com Tumim - que conhece os corações. Ele sabe, também, tudo a respeito da nossa genealogia, isto é, se somos ou não renascidos, embora anos de indiferença ou até mesmo de comunhão com o mundo tivessem tornado duvidosa, aos olhos de outros, a nossa conversão.

“AOS PAIS DOS MEUS NETOS”
Cartas de um avô aos pais dos seus netos
G. C. Willis

(Continua)

Aos Pais dos meus Netos (1)
Aos Pais dos meus Netos (2)
Aos Pais dos meus Netos (3)
Aos Pais dos meus Netos (4)
Aos Pais dos meus Netos (5)
Aos Pais dos meus Netos (6)
Aos Pais dos meus Netos (7)
Aos Pais dos meus Netos (8)
Aos Pais dos meus Netos (9)
Aos Pais dos meus Netos (10)
Aos Pais dos meus Netos (11) 
Aos Pais dos meus Netos (12)
Aos Pais dos meus Netos (13)
Aos Pais dos meus Netos (14)
Aos Pais dos meus Netos (15)
Aos Pais dos meus Netos (16)
Aos Pais dos meus Netos (17)
Aos Pais dos meus Netos (18)
Aos Pais dos meus Netos (19)
Aos Pais dos meus Netos (20)
Aos Pais dos meus Netos (21)
Aos Pais dos meus Netos (22)
Aos Pais dos meus Netos (23)
Aos Pais dos meus Netos (24)
Aos Pais dos meus Netos (25)
Aos Pais dos meus Netos (26)
Aos Pais dos meus Netos (27)
Aos Pais dos meus Netos (28)
Aos Pais dos meus Netos (29)
Aos Pais dos meus Netos (30)
Aos Pais dos meus Netos (31)
Aos Pais dos meus Netos (32)
Aos Pais dos meus Netos (33)

 
Share |