Identificação




O nome da igreja que somos tem suscitado alguma curiosidade junto das pessoas em geral. Entendemos que o nome escolhido deveria traduzir os ensinamentos da Bíblia, partindo do princípio de que deveríamos ser reconhecidos pela localidade onde estamos inseridos e não por nenhum título denominacional. 

Normalmente, as pessoas têm a tendência para fazer alguns juízos sobre a nossa génese e aquilo que procurámos fazer foi encontrar um nome que, por um lado, permitisse responder ao que as pessoas questionam e, por outro lado, salvaguardasse a verdade bíblica.

Como a Bíblia diz: «...o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são Seus e, qualquer que PROFERE O NOME DE CRISTO, aparte-se da iniquidade». É este o nome que a Bíblia recomenda que seja proferido e é este o nome que proferimos - CRISTO. Trata-se de um nome tão grande que não deixa espaço para qualquer outro nome. «Nós pregamos CRISTO ...». Não nos pregamos a nós mesmos. Que importaria o nosso nome a quem quer que fosse? Nós somos todos pecadores. Porém, o nome de Cristo importa-nos a todos. É por Ele, e apenas por Ele, que podemos ser salvos, e é por isso que O anunciamos como Salvador exclusivo, único.

Não somos uma religião no sentido tradicional do termo, visto não praticarmos ritos nem cerimoniais, nem crermos que a salvação se obtenha por boas obras efectuadas pelo ser humano, mas tão somente por meio da fé na obra expiatória salvífica realizada pelo Senhor Jesus Cristo na cruz do Calvário.

Para efeitos legais, e seguindo o modelo bíblico, a igreja tem apenas o nome da localidade onde está inserida: «A Igreja em Quinta do Conde». Era assim que as igrejas, no princípio, eram conhecidas, e é assim que queremos ser igualmente conhecidos. Lemos na Bíblia acerca da Igreja em Roma, da Igreja em Corinto, da Igreja em Filipos, da Igreja em Colossos, da Igreja em Tessalónica, entre outras. A igreja é só uma. A atribuição de nomes denominacionais é sectarismo, e isso rejeitamos em absoluto, alinhados pela Palavra de Deus (1 Coríntios 1:12,13; 3:3-7).

Sermões e Estudos

Fernando Quental
A importância de cortar o galho

Sermão proferido por Fernando Quental em 23 de julho de 2017

Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:12, realizado em 26 de julho de 2017

David Gomes
Como imaginamos Deus?

Sermão proferido por David Gomes em 16 de julho de 2017

Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:12, realizado em 19 de julho de 2017

ver mais