Uma história de dois príncipes

cruz luz

     Ei, ei! Vinde, juntai-vos a nós num passeio de balão! Subindo progressivamente voámos, lentamente deslizando no céu, até avistarmos uma ilha ...

     "Que lindo lugar," dirás. E tens razão - casas e campos coloridos e refulgentes, estradas e rios serpenteando, prados e árvores de um verde dourado e prateado, e um farol na praia.

     Quantas vacas podemos avistar! E quantas ovelhas! Quantas embarcações, e quantas pontes! Quantos cisnes, e quantas galinhas!

     E ... pessoas?

 

     Ah! Não se vê nenhuma pessoa! Nem agricultores, nem pescadores, nem crianças, nem as mães. Absolutamente ninguém.

     Perguntarás, "Onde estão?"

     Oh! Para responder a isso, meu amigo, tenho que te contar uma história ...

     Esta ilha encantadora pertence a um rei que é grande e bom. Há muito tempo, o rei levou para ali muitas pessoas. Ele ajudou-as a tornarem a ilha linda. Deu-lhes boas leis de modo a eles saberem o que fazer e como se comportarem, e como serem sempre felizes.

     Depois o rei deixou a ilha, e viajou para o seu palácio do outro lado do mar.

     As pessoas respeitavam tanto o rei que fizeram-lhe uma estátua. Era enorme e erguia-se junto ao porto.

     E uma vez por ano, as pessoas carregavam um barco, enchendo-o de coisas boas - cereais e carne dos seus campos agrícolas, fruta das suas árvores de fruto, e peixe pescado com as suas redes de pesca. Enviavam estas riquezas para o outro lado do mar, como dádiva de honra ao seu rei.

     Também escolheram um determinado homem como seu governador. O trabalho dele era ajudá-los a lembrarem-se do rei e das suas boas leis.

     Um dia o governador passeava pela floresta e ouviu uma forte voz que parecia vir do solo. "Governador!", chamava a voz.

     O governador voltou-se, mas não viu ninguém.

     "Governador!", voltou a chamar a voz. "Quero falar contigo! Sou o príncipe desta ilha."

     O governador estava espantado. "O príncipe?", indagou.

     "Sim," respondeu a voz. "E tenho uma sugestão a fazer-te".

     "Que espécie de sugestão?, perguntou o governador.

     "Apenas isto", retorquiu a voz. "Porque é que não deixas de honrar o rei? Afinal, ele está tão longe. Derruba-lhe a estátua! Esquece as leis dele! E não lhe envies aquele barco carregado de riquezas anualmente. Guardai aquelas coisas boas! Ficai com elas e armazenai-as! Afinal, um dia, quando vierem tempos difíceis, podereis precisar delas".

     O governador não queria acreditar no que estava a ouvir. Respondeu à voz, "Como é que podemos ser tão ingratos e odiosos para com o nosso rei?"

     A voz não respondeu. Por isso o governador prosseguiu o seu caminho. Mas muitos pensamentos vinham-lhe à mente, atormentando-o.

     Quando se procedia ao carregamento seguinte de riquezas para o rei, o governador desceu para observar. Foi de manhã muito cedo, quando o nascer do sol fazia o cais brilhar da cor do ouro.

     Uma vez no cais, o governador viu grades e caixas e barris prontos a serem transportados para bordo. Também viu dez sacos de avelãs, acabadas de tirar das aveleiras da ilha.

     O governador aproximou-se de dois estivadores, cujo trabalho era carregar o navio. Disse-lhes em voz baixa, "Por favor, peguem em dois daqueles sacos de avelãs e levai-os para o meu celeiro. Afinal, um dia, quando vierem tempos difíceis, poderemos precisar delas". Os estivadores fizeram como o governador lhes ordenou.

     Mais tarde, naquele mesmo dia, aqueles estivadores começaram a murmurar com todos os outros estivadores e marinheiros que carregavam o barco. Diziam, "O governador está a tirar para ELE as riquezas do rei!"

     Naquela noite os marinheiros e estivadores juntaram-se. Diziam uns aos outros, "Se o governador pode ter, nós também podemos ter!".

     Eles dirigiram-se à zona portuária e, cobertos pela escuridão, descarregaram todas as coisas boas do barco. Cada um deles levava algo daquelas riquezas para sua própria casa ou celeiro. E alguns homens conduziram o navio para o meio do oceano, e afundaram-no.

     Ora isto aconteceu pela noite dentro, quando uma vaca dum certo agricultor paria um novo vitelo.

     O agricultor levantou-se para verificar a vaca e o seu rebento. E o que é que ele viu mais? Viu marinheiros e estivadores a levarem as riquezas do rei!

     Pela manhã, bem cedo, o agricultor contou o que viu a um outro agricultor. Por sua vez esse agricultor contou a um outro. E este a um outro ainda. Todos os agricultores disseram uns aos outros, "Se os marinheiros e estivadores podem ter, nós também podemos ter!".

     Os agricultores juntaram-se na zona portuária, e uma vez ali alguém lhes disse que o barco tinha sido afundado. Já não havia riquezas para levar. Os agricultores iraram-se. De facto, enfureceram-se. Gritaram, "QUEREMOS A NOSSA PARTE!"

     Alguém disse aos pescadores o que acontecera. Isso fez com que os pescadores se enfurecessem. Eles juntaram-se e disseram, "Se os agricultores podem ter, nós também podemos ter".

     Então os agricultores e pescadores começaram a assaltar as casas dos marinheiros e dos estivadores. Saquearam tudo o que lhes apeteceu.

     Nesta altura estava toda a gente enfurecida.

     Em toda aquela confusão de fúria, a estátua do rei foi derrubada, caindo na água.

     Assim em apenas uma noite e um dia, o povo da ilha tinha-se esquecido de como se comportar e de como ser feliz. Agora estavam sempre odiosos. Estavam sempre de mau humor e com queixumes. Todos estavam enfurecidos, e todos estavam temerosos.

     E já ninguém falava do rei, nem ninguém se lembrava mais das suas boas leis.

     Um dia uma mulher com dois filhos dirigiu-se ao governador. "Olhe para estas crianças", disse-lhe ela. "Agora elas terão de crescer num lugar onde toda a gente vive dominada pela ira e o medo e o ódio e a infelicidade. E TUDO POR SUA CULPA!"

     O governador não concordava que fosse tudo por sua culpa. "Mas tenho que fazer algo quanto a isto", decidiu.

     Ele correu para a floresta. Dirigiu-se para o lugar onde tinha ouvido a voz que parecia vir do solo.

     "Ei, príncipe!", chamou o governador. "Diz alguma coisa!"

     "O que é que queres?", respondeu a voz. Num ápice o governador contou-lhe tudo o que tinha acontecido. E acrescentou, "É TUDO POR TUA CULPA! A tua sugestão foi terrível!"

     "Tu és livre de fazeres o que quiseres com as minhas sugestões", disse a voz. "Mas sei de algo importante que seria bom que tivesses em mente".

     "E o que é?", disse o governador.

     "Apenas isto:", replicou a voz. "Há muito tempo que o rei não tem notícias desta ilha. Certamente que está irado, pois sabe que vos tendes esquecido dele. Em breve virá e punir-vos-á severamente!"

     O governador ficou alarmado. "Oh, não!", gaguejou. "Estamos perdidos!"

     "Oh, ainda não", disse a voz. "Eu sei como vos podeis salvar".

     "Como?", disse o governador. Ele tremia, e escutava atentamente.

     "Apenas isto", retorquiu a voz. "Afasta aqueles ramos de árvore atrás de ti, e verás uma passagem secreta." O governador afastou os ramos. Viu uma passagem para uma caverna profunda.

     "Estou aqui", disse a voz, "nesta caverna enorme, com imenso espaço aqui para vos manter a todos seguros. Por isso apressa-te e avisa as pessoas do perigo. Fala-lhes deste esconderijo, e regressa aqui com todos eles. Depressa! O rei vem aí!"

     O governador saiu dali a correr. E um turbilhão de pensamentos assolava-lhe a cabeça.

     Ele regressou depressa com todas as pessoas que viviam na ilha - marinheiros, estivadores, agricultores e pescadores, mães e crianças. Uns após outros seguiram o governador, descendo nas trevas.

     A voz do príncipe do abismo guiava-os. "Por aqui!" dizia ele. "Segui-me!"

     Para baixo, para baixo, cada vez mais para o fundo, lá iam eles.

     Depois de se ter passado bastante tempo, o governador perguntou, "Quanto mais?"

     "Paciência, paciência," respondeu a voz do príncipe pausadamente.

     Quanto mais eles desciam ... mais profundamente mergulhavam nas trevas.

     Depois de se ter passado mais um bom espaço de tempo, o governador disse, "Aqui em baixo está muito escuro. Vou acender um fósforo."

     ""Não!", gritou a voz do príncipe. "Não faças tal! Isso cegar-me-ia, e depois eu não vos poderia guiar mais. Além disso, isto aqui em baixo está demasiado húmido para que um fósforo possa ser aceso."

     "Ele estava certo. A Profundidade do abismo era húmida, e fria, e tenebrosa.

     Depois de um outro significativo espaço de tempo se ter passado, algumas crianças começaram a chorar. Alguns dos pais começaram a gemer e a queixarem-se. Por isso o governador disse, "Príncipe, já fomos longe de mais, basta!"

     A voz do príncipe não se fez ouvir em réplica.

     De repente o governador ficou apavorado. "Ei, príncipe! Escuta-me! Onde é que estás?"

     Mas uma vez mais não houve qualquer resposta.

     As pessoas ainda não sabiam, mas o príncipe tinha voltado à entrada da caverna e fechou-a, selando-a. Agora é que não havia qualquer forma de sair dali!

     E é claro que foi nesse dia que o nosso balão passou sobre a ilha, em que não se viam ali pessoas. Estavam todas sequestradas no interior daquele abismo profundo.

     Perguntarás, "Mas, por favor, diz-me o que se passou a seguir".

     Oh! Para responder a isso, meu amigo, tenho que acabar de te contar a história ...

     Algumas pessoas na caverna tentaram encontrar uma saída. Mas nenhuma forma de escape podia ser encontrada. Assim algumas crianças choravam, algumas mulheres gritavam. E alguns dos homens resmungavam e vociferavam. Mas, é claro, nada disso ajudava.

     "Calem-se todos! Silêncio!", ordenou o governador. "Acalmem-se!"

     Eles aquietaram-se por uns momentos. Então de algures, nas trevas, eles ouviram uma gargalhada. Parecia a voz do príncipe do abismo.

     "Onde é que estás?", exigiu o governador.

     "Vocês não podem ver-me", disse a voz, "Mas eu posso ver-vos a vós".

     O governador ergueu os punhos. "Tu vigarizaste-nos!", disse ele. "Mentiste-nos! Quem és tu, afinal?"

     "Dir-te-ei apenas isto", disse a voz: "Há muito tempo eu vivia do outro lado do mar, no palácio do rei, que é refulgente e cheio de luz. Um dia disse-lhe que queria ser rei em vez dele. Ataquei-o e combati-o ferozmente, mas ele derrotou-me. Ele expulsou-me do palácio. Então atravessei o mar para fazer-me príncipe desta ilha. Agora odeio a luz, e amo as trevas. Pode ser que também aprendais a amá-las igualmente ... pois nunca vos deixarei sair daqui!"

     Ele riu-se de novo soltando gargalhadas; deixando tudo mergulhado de novo no silêncio. Ter-se-á ele ido embora?, interrogavam-se as pessoas. Ou observa-nos de entre as frias trevas?

     Tristes e cheias de medo, as pessoas chegaram-se mais umas às outras para se confortarem e aquecerem.

     Passou-se um longo período de tempo. E já ninguém sabia se era dia ou noite, pois naquele abismo só havia trevas.

     As pessoas estavam cansadas, e tentavam dormir. Mas ora uma criança chorava, ora uma mulher gritava, ora um homem resmungava ou vociferava.

     É claro que nada daquilo ajudava.

     E ali nas trevas frias e húmidas, as pessoas começavam a lamentarem-se pelas coisas erradas que tinham feito.

     Então veio o momento em que alguém murmurou: ""Vejo uma luz!"

     "Onde?"

     "Ali! Vêde!"

     Sim, era verdade - lá longe avistava-se uma luz resplandecente. Todos ficaram com os olhos esbugalhados à medida que a luz se aproximava.

     De repente parou. Todos ouviram o som de combate - gemidos e gritos, e a colisão e som estridente das armas. A luz movimentava-se para um e outro lado.

     Finalmente o som da batalha terminava. Lentamente a luz aproximava-se de novo, ficando cada vez mais perto. As pessoas viram, logo a seguir, a silhueta dum homem que transportava uma tocha. Ele cambaleava e mancava, como se tivesse sido ferido.

     O homem chegou e pôs-se diante de todos, no círculo brilhante produzido pela sua tocha.

     Os que estavam em frente podiam ver que o seu calcanhar estava a sangrar.

     "Não temais", disse o homem a todos. "Eu vim para vos tirar deste lugar. Eu sou o filho do rei."

     O filho do rei! As pessoas estavam atónitas, e cheias de medo, inicialmente.

     "Não temais", disse o filho do rei novamente. "O meu pai perdoa-vos a todos por todo o mal que fizestes. Agora encontrei-vos e estais em segurança, e podeis seguir-me para o palácio ..."

     "Mas - mas o príncipe!", disse o governador. "O príncipe do abismo -"

     "Ele está derrotado", afirmou o filho do rei com uma voz serena e segura. "Ele atacou-me, mas eu venci-o, e ele nunca mais poderá reter-vos de novo nas trevas. Por isso vinde; segui-me!"

     Dando as mãos umas às outras, as pessoas seguiram o filho do rei na longa viagem para cima e para fora do abismo ... e para o exterior caloroso e luminoso.

     Naquela noite, o filho do rei embarcou no seu navio para voltar ao palácio real do outro lado do mar. "Mas um dia voltarei", prometeu ele às pessoas.

     Com acenos de mão e vivas e lágrimas, as pessoas assistiram à partida do seu barco.

     À medida que se fez ao mar o barco parecia cada vez mais pequeno. Finalmente desapareceu da vista deles.

     E ainda hoje é isto o que acontece naquela linda ilha: Os marinheiros e estivadores e agricultores e pescadores e mães e crianças vão frequentes vezes para uma janela aberta ou para um alto monte ou para o farol na praia. Observam o outro lado do mar - e lembram-se do filho do rei ...

     ...e esperam o seu regresso.

Por ECKART ZUR NIEDEN

Gold 'n' Honey Books

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira
A Igreja e a Grande Tribulação

Sermão proferido por Carlos M. Oliveira em 20 de agosto de 2017

Carlos Oliveira
Os dois "porquês" do Senhor

Sermão proferido por Rui Santos em 16 de agosto de 2017

Marcos Roque 13ago17
Uma questão de honra

Sermão proferido por Marcos Roque em 13 de agosto de 2017

Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:12,13, realizado em 09 de agosto de 2017

ver mais